Segunda-feira, 19 de Outubro de 2009

 

«O agente mais temido do mundo editorial, Andrew Wylie, trouxe mais uma vez para a Feira de Frankfurt um inédito do escritor chileno Roberto Bolaño. Depois de no ano passado a sua agência ter estado na feira a negociar o inéditoThe Third Reich, que começará a ser publicado a partir de Janeiro do próximo ano e será editado pela Quetzal em Portugal, desta vez o agente norte-americano tratado no meio pela alcunha de "O Chacal" trouxe Los Sinsabores del Verdadero Policia, um romance inédito e incompleto. No catálogo da The Wylie Agency lê-se uma descrição desta obra feita pela viúva do escritor, Carolina López: "Mais do que um romance, isto é uma das origens ou o núcleo do universo literário de Roberto. É o projecto em que ele trabalhou durante 13 anos. Dá aos leitores a ideia da sua singular espontaneidade e de como desfrutava da liberdade quando escrevia."


Bolaño começou a escrevê-lo no início dos anos 90 e continuou a fazê-lo durante 13 anos enquanto ia terminando os seus dois romances mais importantes,Os Detectives Selvagens(ed. Teorema) e2666 (Quetzal). Antes de morrer organizou todo este material em pastas e esteve a organizar todos os fragmentos e a dar-lhes coerência. Apesar de não ter conseguido terminar este trabalho de edição, deixou uma lista dos capítulos e descrições exaustivas dos personagens. "O que emerge deste material é uma narrativa poderosa, simbólica, hipnótica, tremendamente negra e ao mesmo tempo hilariante, a imagem de marca de Bolaño", explica-se no catálogo desta famosa agência literária. Francisco José Viegas disse ao P2 que irá publicar este livro. O editor, que esteve em Frankfurt, está muito contente com as vendas de 2666 em Portugal, cuja tiragem já vai em 23 mil exemplares.»


Do texto de Isabel Coutinho, em Frankfurt para o Ipsílon.



por 2666 às 17:33
link do post | comentar


Arquivo

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

todas as tags

«Um livro contra o esquecimento que, nas suas qualidades e nas suas imperfeições, é uma profissão de fé no poder da literatura.» Bruno Vieira Amaral
Subscrever por RSS