Sexta-feira, 6 de Novembro de 2009

A morte é um estado fácil de atingir na medida em que para morrer, vocês sabem. No entanto, é usual e compreensível entendê-la como um castigo penoso para o seu alvo e, não menos, para os que com ele convivem. A morte chega, egoísta, para pôr fim à vida e levar com ela o corpo, a voz e o cheiro do indivíduo cuja hora marcou. Não seria, então, fácil de compreender este sujeito como o prémio final, o cair do pano e consequentes aplausos, como a coroa da glória ou o erguer do troféu antes de ler Bolaño. Há em Bolaño um odor póstumo, fúnebre que indicia a cada frase um final iminente e, perdoe-me se me engano, desejado. Há na obra de Bolaño, que se confunde com a sua vida, um caminho cuidadoso para o fim e onde 2666 assume o papel de última morada. Acredito, aliás, que se a insuficiência hepática do chileno não se tivesse feito prever, Bolaño terminaria com um tiro nos cornos, como Hemingway, ou com uma corda ao pescoço, como David Foster Wallace. Se primasse pela saúde, Bolaño não sobreviria pelo simples facto de que o obrigariam a escolher entre a sua vida e a sua obra.


No que me diz respeito, se o hedonismo do autor o levasse a optar pela vida, matá-lo ia eu. Com uma faca no peito, ou na barriga, não sei bem. Talvez na barriga e subindo-a ao peito, para doer e ser trágico, para se poder contar. Depois de ler Bolaño, também nós, enquanto leitores, escritores, columbófilos ou padeiros, morremos. Morremos e voltamos à vida com uma amplitude de cinzentos alargada e com uma pistola na primeira gaveta da mesa do escritório. Há um momento na vida em que todo o homem se encontra a um final decente de ser grande. Fechei 2666 com a certeza que Bolaño terminou, rumo à glória eterna, na última palavra do livro.

 

Duarte Duval leu 2666 e enviou-nos este texto, que em reposta ao nosso pedido.


tags:


Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009

Contem-nos como é ler Roberto Bolaño. O próximo Ler no Chiado é sobre livros fenómeno.

 

 


 


tags:


Quinta-feira, 29 de Outubro de 2009

«2666 é um murro no estômago, um verdadeiro incêndio literário, como há muito tempo não se via nas livrarias de todo o mundo. Especialmente num século como o nosso, obcecado pela juventude eterna, pelo sucesso, pelo dinheiro fácil, pela fama, pela beleza física, pelos 15 minutos de fama. Num século XXI asfixiado pelo êxito fácil e pela literatura light, só um escritor com muita coragem poderia escrever algo que, à partida, parecia “invendável”.»

 

2666 foi o livro recomendado pela Biblioteca Mira Fernandes no blogue Biblioteca Porta Aberta.

 



por 2666 às 18:14
link do post | comentar

Terça-feira, 20 de Outubro de 2009

Bolaño, Larsson, Dan Brown, Meyer escreveram livros que são fenómenos de popularidade e provocam adição em que em os lê. No próximo encontro Ler no Chiado vai debater-se sobre estes autores e os seus leitores. 

 
Com José Afonso Furtado (que devorou a saga do Larsson e tem um conhecimento próximo do funcionamento dos mercados editoriais); Paulo Ferreira (dos Booktailors, os principais consultores editoriais portugueses e um dos blogues literários mais lidos); José Campos de Carvalho (paginador quer da saga Millennium, quer do Bolaño, e leitor atento dos dois fenómenos).
 
Contamos também com o testemunho de leitores compulsivos destes livros que milhões de pessoas devoram. Testemunhos deixados nos sites e redes sociais das editoras nas últimas semanas, e também ao vivo, na livraria.
 
Uma iniciativa da Revista Ler e da Bertrand, no dia 5 de Novembro, às 18.30, na loja do Chiado.
Moderação de Anabela Mota Ribeiro.
 

tags:


Segunda-feira, 19 de Outubro de 2009

«A leitura dos textos de Bolaño me causam uma certa melancolia. O prazer estético supera a melancolia, mas tenho que ser sincera e assumir a tristeza que me toma. Por vezes, sinto que ele traz a completa falta de sentido da vida e coloca isto na frente do leitor. O que importa, porém, o que sinto? A leitora abandona os sentimentos para colocar a mirada na literatura, só que Roberto Bolaño é tão estupendo que a manobra fica difícil.»

 

Do outro lado do Atlântico, escreve Gerana Damulakis, uma leitora crítica de Roberto Bolaño.



por 2666 às 16:44
link do post | comentar


Terça-feira, 6 de Outubro de 2009
Leitores por 2666

 

ESTOU_Ler-1

 

 

Gustavo C., do Sétima Sinfonia.

Salamandrine, do vortex.

Sara Figueiredo Costa, do Cadeirão Voltaire.

João Gomes de Almeida, de O amor nos tempos da blogosfera. 

 


tags:


Quarta-feira, 30 de Setembro de 2009
Ler 2666 por 2666

Paulo Alves, do blogue Olhos Fechados, esteve no lançamento de 2666, trouxe um livro e promete manter aqui um registo da sua leitura. 

 


tags:

por 2666 às 16:41
link do post | comentar

Terça-feira, 29 de Setembro de 2009
Leitores por 2666

Dora Santos Silva, culturascópio.


tags:




Terça-feira, 15 de Setembro de 2009
Anúncio por 2666

José Mário Silva, o Bibliotecário de Babel, terminou a  leitura de 2666. E sobreviveu.


tags:


Quarta-feira, 9 de Setembro de 2009

«Leio em casa, no trabalho, nas viagens de autocarro, na casa-de-banho, enquanto cozinho e almoço, enquanto espero pela sessão de cinema, enquanto o sono não vem e nada. Nunca mais o acabo. Leio, leio e leio e continuo a ler.»

 

Para seguir no blogue Absurdo a leitura que Eduarda Sousa está a fazer de 2666 - na edição espanhola.

 



por 2666 às 16:50
link do post | comentar

Quarta-feira, 2 de Setembro de 2009

Roberto Bolaño responde à pergunta sobre o que expressão pretende deixar no rosto dos leitores que terminam um livro seu. «Bom, essa é uma boa pergunta. Há duas respostas. Primeira: cada leitor é dono do seu próprio rosto e eu não tenho nada a ver com o estado em que fica esse rosto.» A segunda, pode ouvi-la pela voz do próprio Bolaño aqui
 


tags:

por 2666 às 00:07
link do post | comentar


Arquivo

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

tags

todas as tags

«Um livro contra o esquecimento que, nas suas qualidades e nas suas imperfeições, é uma profissão de fé no poder da literatura.» Bruno Vieira Amaral
Subscrever por RSS